É aberta investigação sobre o Swedbank

Os vigilantes financeiros da Suécia e da Estônia abriram uma investigação conjunta após uma reportagem da mídia ligando o Swedbank a um escândalo de lavagem de dinheiro do Báltico envolvendo o Danske Bank, disseram na quinta-feira.

Danske está sendo investigado em cinco países por cerca de 200 bilhões de euros (226 bilhões de dólares) de pagamentos suspeitos da Rússia, ex-Estados soviéticos e outros lugares que foram encontrados em sua filial na Estônia.

A TV sueca disse na quarta-feira que documentos mostraram que pelo menos 40 bilhões de coroas suecas (US $ 4,30 bilhões) foram transferidas entre contas no Swedbank e Danske no Báltico entre 2007 e 2015.

As autoridades de supervisão financeira da Estónia e da Suécia afirmaram numa declaração conjunta que o relatório de lavagem de dinheiro da televisão sueca era muito sério.

“Os FSA da Estônia e da Suécia concordaram hoje em iniciar uma investigação conjunta com o objetivo de examinar de perto as informações relatadas pela SVT”, disseram eles em seu comunicado.

Eles disseram que o Banco da Lituânia também concordou em participar da investigação e que a FSA da Letônia foi convidada a participar.

O gestor de fundos de pensão AMF, o quarto maior acionista do Swedbank, pediu uma investigação independente dos relatórios da mídia sobre lavagem de dinheiro.

As ações da Swedbank caíram quase 14 por cento na quarta-feira em sua maior queda intraday desde o financeiro. Eles caíram 9 por cento na quinta-feira para 166,0 coroas suecas às 1459 GMT.

A ação já perdeu mais de um quinto de seu valor em menos de dois dias.

Os rivais nórdicos do SEB e do Handelsbanken caíram 3,6% e 0,3%, enquanto o Nordea caiu cerca de 3,5%.

O Swedbank é o maior banco dos países bálticos, com cerca de 3,3 milhões de clientes de varejo e cerca de 300.000 clientes corporativos. Os países bálticos responderam por pouco menos de um quinto da receita do Swedbank em 2018.

RISCO DE CASO CRIMINAL
Analistas destacaram o risco para a Swedbank de uma possível queixa criminal de Bill Browder, que já foi um dos maiores gestores de moeda estrangeira na Rússia, e agora está fazendo campanha para expor a corrupção.

Browder, fundador e diretor executivo do fundo de investimentos Hermitage Capital Management, disse à Reuters na quinta-feira que pretende apresentar uma queixa criminal contra o Swedbank com autoridades suecas.

 

 

 

Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar