Industria & Comércio

França defende proibição de venda de carros movidos a combustíveis fósseis até 2040

A nova lei do governo francês sobre mobilidade manterá uma proibição planejada de carros movidos a combustíveis fósseis até 2040, disse a ministra dos Transportes, Elizabeth Borne, na terça-feira.

A venda de carros movidos a combustíveis fósseis

O ex-ministro do Meio Ambiente Nicolas Hulot disse em julho de 2017 – no início do mandato do presidente Emmanuel Macron – que a França pretendia acabar com a venda de veículos a gasolina e diesel até 2040 em uma tentativa de se tornar neutra em carbono até 2050.

Hulot renunciou em setembro de 2018 em protesto pela falta de compromisso de Macron com as causas ambientais e o governo raramente mencionou a proibição planejada, em parte por causa do movimento de protesto contra os impostos de carbono sobre os preços dos combustíveis e o alto custo de vida.

Borne, que é deputado ao sucessor de Hulot, François de Rugy, confirmou em uma entrevista à televisão BFM que o objetivo estabelecido por Hulot seria cumprido.

“Temos meta para a neutralidade de carbono até 2050 e precisamos de uma trajetória confiável em relação a isso, o que inclui a proibição da venda de veículos que consomem combustíveis fósseis até 2040”, disse ela.

Ela disse que a França – que tem uma grande indústria automobilística liderada pela PSA e pela Renault – ajudaria seus fabricantes a mudarem para eletricidade, hidrogênio e possivelmente biogás.

“Desde o início do mandato de Emmanuel Macron, nossa meta é o plano climático que Nicolas Hulot anunciou no verão de 2017. Vamos agora inscrever essa meta na lei”, disse Borne.

A lei da mobilidade também facilitará o lançamento de estações de recarga de veículos elétricos (VE), notadamente dando aos moradores de prédios de apartamentos o direito de solicitar a instalação de tomadas EV em seus estacionamentos.

A muito atrasada lei, que atualmente está sendo debatida no parlamento, deve ser aprovada depois do verão e vai atualizar uma lei de 1982 sobre transporte.

A reforma quer favorecer alternativas ao uso individual de automóveis, melhorar as redes ferroviárias e criar uma estrutura legal para novas soluções de mobilidade, como bicicletas de flutuação livre, scooters elétricas e compartilhamento de carros.

Também dará às empresas a opção de oferecer aos funcionários um subsídio de 400 euros isento de impostos para trabalhar com bicicletas ou com compartilhamento de carros. Borne disse que as empresas seriam obrigadas a discutir esse subsídio nas negociações salariais com os sindicatos, mas o subsídio não seria obrigatório para todas as empresas.

Etiquetas
Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar