Lorenzoni afirma que reforma da Previdência incluirá contribuições a fundos privados

(Por Reuters) A proposta de reforma da Previdência do governo brasileiro introduzirá contribuições individuais em fundos privados para garantir as aposentadorias das gerações futuras e ajudar a impulsionar o crescimento, disse Onyx Lorenzoni, chefe da Casa Civil, na quarta-feira.

A inclusão de um “sistema de capitalização” em uma proposta a ser enviada ao Congresso em fevereiro irá impulsionar a poupança interna e estimular o crescimento econômico em pelo menos 3% ao ano, disse ele.

Tal sistema teria fundos de pensão privados alimentados por contribuições individuais definidas para eventualmente substituir o sistema público atual com base em um pacote garantido de benefícios de aposentadoria.

A reforma do dispendioso sistema estatal de aposentadoria do Brasil, ou previdência social, é uma das principais prioridades do novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, porque é a principal causa de déficits orçamentários crônicos e uma dívida pública crescente e insustentável.

O governo está determinado a enviar uma proposta completa de reforma previdenciária ao Congresso, em vez de reformas parciais, para garantir que os benefícios durem mais tempo, disse Lorenzoni.

“Vamos consertar esse navio que está afundando, chamado sistema de pensão, que tem um buraco no casco”, disse ele em uma entrevista de rádio.

O objetivo é reformular o sistema previdenciário para que não precise ser reformado nos próximos 20 ou 30 anos, disse ele.


Lorenzoni disse que nenhuma decisão foi tomada e novas propostas serão apresentadas a Bolsonaro na próxima semana.

Embora poucos detalhes tenham sido divulgados, espera-se que o Brasil siga o exemplo da privatização do Chile da previdência social introduzida na década de 1980 sob o ditador Augusto Pinochet, que impulsionou a poupança e acrescentou liquidez ao mercado de ações.

O altamente privatizado sistema de pensões chileno tem sido amplamente imitado em todo o mundo.

As pensões no Chile são atualmente administradas por seis poderosos administradores de fundos privados, conhecidos como AFPs, que detêm quase US $ 200 bilhões em ativos. Essas aposentadorias muitas vezes ficaram aquém das expectativas, provocando protestos furiosos nos últimos anos por parte dos chilenos, dizendo que eles sofreram uma mudança brusca.

Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar