Bancos

Quando as controvérsias chegam, esperar para ver não funciona mais, as empresas dos EUA descobrem

Quando o Bank of America organizou sua reunião anual em abril, ativistas insistiram que parassem de financiar empresas de prisões privadas.

A polêmica envolvendo o Bank of America

Na quarta-feira, o Bank of America fez exatamente isso, distanciando-se de um setor que provocou protestos por causa de suas ligações com a política de imigração do governo Trump e preocupações sobre as condições do centro de detenção. Hector Vaca, um dos ativistas do encontro anual de abril, declarou vitória.

Em seguida, ele espera que o SunTrust Banks Inc (STI.N) corte os laços com as prisões privadas. O SunTrust não respondeu a um pedido de comentário.

No passado, as empresas normalmente esperavam que as controvérsias perdessem força e evitassem tomar uma posição, recusando-se a fornecer comentários públicos, fazendo mudanças devagar ou nada. Especialistas em comunicação de crise dizem que as empresas são forçadas a agir com mais rapidez no atual ambiente de notícias e mídia social em ritmo acelerado.

“É importante entender que as empresas nessas situações têm apenas opções ruins”, disse Eric Dezenhall, consultor de gerenciamento de crises baseado nos Estados Unidos, acrescentando que “não há nenhum manual ou todo mundo o usaria”.

Também nesta semana, várias centenas de pessoas, incluindo funcionários da Wayfair Inc. (W.N), se reuniram em Boston para protestar contra a alegada venda de mobília ao varejista on-line para uma instalação de detenção do Texas que abriga crianças migrantes. A briga foi alimentada quando uma carta aos líderes da Wayfair de funcionários sobre a venda se espalhou no Twitter.

Wayfair se recusou a comentar sobre a alegada venda. Mas prontamente fez uma doação de US $ 100.000 para a Cruz Vermelha Americana para ajudar na ajuda humanitária na fronteira.

O aumento do ativismo acompanha um aumento no investimento do ESG, ou o investimento baseado em fatores ambientais, sociais e de governança. A Morningstar estima que fundos que investem de acordo com diretrizes não-econômicas manejaram US $ 1,2 trilhão no final do ano passado.

Isso levou as empresas a divulgarem mais sobre como e com quem fazem negócios e abordam questões que poderiam ter tentado evitar no passado.

No ano passado, uma série de tiroteios em uma escola de Parkland, na Flórida, trouxe à tona uma longa discussão sobre o controle de armas nos Estados Unidos. Desta vez, algumas empresas que venderam armas por anos mudaram de rumo.

A Dick’s Sporting Goods (DKS.N) parou de vender fuzis de assalto e revistas de alta capacidade, optando por torná-lo um movimento totalmente transparente. O executivo-chefe do varejista, Edward Stack, falou sobre a decisão no programa “Good Morning America”, da ABC.

Muitos elogiaram a empresa, mas nem todos concordaram que era a coisa certa a fazer. As vendas nas mesmas lojas da Dick’s caíram quase 2% no trimestre após a decisão, uma vez que os clientes que citaram uma violação dos direitos da Segunda Emenda de portar armas exigiram um boicote online.

Walmart Inc e Fred Meyer (KR.N), da Kroger, estavam entre outros varejistas que também anunciaram que limitariam as vendas de armas de fogo e munição, vendendo apenas para compradores com idade acima de 21 anos.

Outros mudam de curso mais calmamente. Em vez de ir à imprensa, a Wells Fargo & Co (WFC.N) divulgou sua decisão de reduzir sua exposição a empresas de prisões privadas sem alarde na 43ª página de um documento de 104 páginas em janeiro.

No ano passado, o Google GOOGLE.O da Alphabet Inc enfrentou uma reviravolta interna em relação a um contrato para ajudar os militares dos EUA a analisar imagens de drones aéreos. A empresa desmobilizou os funcionários em relação ao acordo ao não renovar o contrato.

“Historicamente, confiamos em empresas para nos informar sobre seu desempenho em ESG, mas isso não funciona mais”, disse Witold Henisz, professor de administração da Wharton School da Universidade da Pensilvânia.

Fonte:Reuters

Etiquetas
Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar