Finanças

Rápida queda do real frente ao dólar deixa comércio brasileiro em estado de alerta

A rápida aceleração da queda do real frente ao dólar nesta semana colocou os comerciantes em alerta para a intervenção do Banco Central para deter a “podridão”, embora até agora não haja sinal de que o banco central tenha mostrado sua mão.

Leia também:

Rápida aceleração da queda do real frente ao dólar

Com a política desordenada desacelerando a agenda de reformas fiscais do governo no Congresso, a economia doméstica se deteriorando e as tensões da guerra comercial global aumentando, o real despencou de 4,00 por dólar para seu nível mais baixo desde setembro.

Ela desvalorizou 3,5% esta semana, uma de suas maiores quedas semanais desde que o Brasil emergiu de uma brutal recessão no final de 2016.

Um porta-voz do banco central se recusou a comentar.

A última vez que o banco central interveio no mercado de câmbio foi fevereiro de 2009. Desde então, suas intervenções foram no mercado de swaps cambiais, onde ele é rotineiramente ativo, ajustando o tamanho e a maturidade dos contratos.

Participantes do mercado dizem que é inconcebível que os formuladores de políticas não sejam mais sensíveis do que nunca ao preço, liquidez e volatilidade do real.

“É uma tempestade perfeita para um ataque especulativo ao real. Eles (formuladores de políticas) definitivamente estarão monitorando isso ”, disse um corretor em São Paulo. “O que o mercado está procurando é o ponto em que o banco central fica desconfortável”.

Analistas do Citi avaliam que esse ponto pode ser em breve. Eles apontam para a escala da desvalorização do real na liderança até três episódios anteriores de atividade do banco central no mercado de swaps cambiais em junho de 2013, maio de 2017 e maio de 2018.

Eles observam que os primeiros passos do banco central foram dados depois que o real se desvalorizou entre 9% e 16% (ou uma média de 12%), e teve um baixo desempenho de um índice amplo de moedas de mercados emergentes entre 8% e 10%.

Agora, o real caiu 11% desde o início de fevereiro e teve um desempenho inferior ao das moedas emergentes em 7%, dizem analistas do Citi.

“Podemos estar perto da zona de intervenção”, disseram eles em uma nota aos clientes na sexta-feira, acrescentando que um aumento de US $ 4,10 para o dólar poderia desencadear a intervenção e que um aumento para 4,20 faria. Esse primeiro limiar foi violado apenas algumas horas após a publicação da nota na sexta-feira.

“O risco de intervenção aumentou claramente. (Mas) nós notaríamos que a intervenção nem sempre pôs fim à liquidação, ”eles disseram.

A alta do dólar

Na sexta-feira, o dólar subiu para 4,1125, a maior alta desde setembro do ano passado, e os contratos futuros de taxa de juros subiram, particularmente os contratos de um ano ou mais.

Apesar da desaceleração da economia e do crescente risco de recessão exigindo taxas de juros mais baixas, de acordo com vários economistas, o mercado de taxas agora está descontando 50 pontos base de altas de juros para 7,00% até o final do próximo ano.

GRÁFICO: Dólar / Real – mercado à vista – tmsnrt.rs/2WbgeLQ

GRÁFICO: Dólar / Real – mudança semanal – tmsnrt.rs/2WcvmZn

Em uma ampla sessão de perguntas e respostas com legisladores na quinta-feira, o presidente do banco central, Roberto Campos Neto, disse que o banco central não tem uma meta cambial e acredita em moedas flexíveis. Portanto, não há necessidade de o banco ter um comitê especial para intervenção cambial.

O Brasil tem quase US $ 400 bilhões em reservas internacionais, então o banco central tem munição para defender o real através da venda de dólares, se quisesse.

Quando o dólar subiu para 4,00 reais no final de março, o banco central reforçou sua presença no mercado de swaps cambiais para injetar liquidez no mercado e aliviar a pressão de venda sobre o real. O banco central fez questão de salientar, no entanto, que isso não era um ato de intervenção.

No entanto, a volatilidade era mais alta do que é agora. A volatilidade implícita nos contratos de opções de dólar / real em uma semana atingiu 19%, e apesar de ter subido esta semana, está apenas acima de 14% agora. Para comparar, quando o banco central interveio fortemente em torno de maio de 2017, a volatilidade implícita de uma semana subiu acima de 30%.

Assim, embora a queda do real no mercado à vista tenha sido atraente, a volatilidade do mercado tem sido relativamente bem contida, sugerindo que o mercado ainda está funcionando sem problemas.

Isso provavelmente será um alívio para o banco central, disse Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Mizuho do Brasil, acrescentando que um “movimento de uma semana” não é suficiente para desencadear a intervenção.

Etiquetas
Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar