Finanças

Reforma da Previdência no Brasil pode transformar o fluxo de investimentos estrangeiros em dilúvio

Investimentos estrangeiros de longo prazo de mais de US $ 100 bilhões por ano estão prontos para entrar no Brasil se o governo aprovar a Reforma da Previdência no Brasil, segundo alguns economistas, fornecendo combustível para uma economia que não decolou após uma recessão brutal de 2015-16.

Leia também:

A Reforma da Previdência no Brasil e o potencial de fluxo de investimentos

O Brasil está em segundo lugar na China apenas entre os mercados emergentes em termos de investimento estrangeiro direto, ou IDE, nos últimos anos. No entanto, os economistas dizem que muito mais capital está esperando nos bastidores e quanto disso vai para o país vai depender da aprovação de um projeto de lei de segurança social.

Se o Congresso aprovar uma versão mais forte da assinatura da Reforma da Previdência no Brasil, do presidente Jair Bolsonaro, as condições estão em vigor para um boom prolongado de investimentos, muitos analistas e observadores do Brasil argumentam.

A aprovação acabaria com a corrupção nas finanças públicas e abriria as portas para privatizações, desregulamentação e cortes de impostos, tornando mais atraente para empresas estrangeiras investir no Brasil, dizem eles. As taxas de juros já estão em um nível recorde e a equipe econômica de Bolsonaro e o banco central compartilham uma agenda pró-crescimento.

A possibilidade de recuperação liderada por investimentos na maior economia da América Latina está longe de ser uma especulação ociosa.

Por algumas medidas, o investimento estrangeiro no Brasil já está perto de níveis recordes, apesar da percepção de que a incerteza em torno do empurrão da reforma previdenciária está dissuadindo investidores externos.

Os dados do Banco Central

Dados do banco central mostram que o Brasil atraiu US $ 21,1 bilhões em ingressos no IED no primeiro trimestre do ano, ligeiramente acima dos US $ 20,9 bilhões no mesmo período do ano passado. Isso deixa o Brasil em curso para igualar ou exceder o total de 2018 $ 88,3 bilhões.

“O Brasil é um dos pontos brilhantes do mundo em termos de IED”, disse Martin Castellano, chefe de pesquisa latino-americana do Instituto Internacional de Finanças (IFI), com sede em Washington.

“Há uma incerteza óbvia relacionada à reforma da previdência no Brasil, mas a agenda política geral do governo deve apoiar o IED”, disse ele, prevendo que o IDE subirá para 4,9% do produto interno bruto este ano, de 4,7% no ano passado.

Muitos investidores estrangeiros se aqueceram em relação ao Brasil depois que a presidente Dilma Rousseff sofreu impeachment e foi destituída do cargo em agosto de 2016, pondo fim a 13 anos de governo do Partido dos Trabalhadores e inaugurando uma agenda mais favorável aos negócios com seu sucessor, Michel Temer.

Em termos nominais, 2018 foi o terceiro melhor ano registrado para os fluxos de IED no Brasil, depois de US $ 102,4 bilhões em 2011 e US $ 92,6 bilhões em 2012 em meio a um boom liderado por produtos de consumo.

Como parte dos fluxos mundiais de IDE para os mercados emergentes, o ano passado foi ainda melhor.

Uma análise da Reuters dos dados compilados pelo IIF mostra o IDE no Brasil por essa medida – 16,2% – foi a mais alta em 2018 desde que o instituto começou a coletar os dados em 2000.

Como parte do IDE da América Latina, o Brasil representou 58,0% no ano passado, o maior desde 59,4% em 2010. Isso deve subir para 59,1% neste ano, prevê o IIF.

Etiquetas
Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar