Industria & Comércio

Cargill corta as emissões de CO2 da frota de embarcações

A Cargill reduziu as emissões de CO2 de sua frota de navios fretados em 350 mil toneladas no ano passado, como parte dos esforços para diminuir sua pegada de carbono no mar, disseram os grupos de alimentos e agricultura.

A Cargill e a emissão de CO2

O setor de transporte marítimo internacional responde por cerca de 2% das emissões globais de dióxido de carbono (CO2), o principal gás causador do efeito estufa responsável pelo aquecimento global.

A Cargill, a maior empresa privada dos EUA, está entre as empresas comerciais que pressionam por um transporte mais ecológico. Em 2018, a empresa transportou 226 milhões de toneladas de carga.

Em seu relatório anual de responsabilidade corporativa, a Cargill disse esta semana que cortou a produção de CO2 por carga-tonelada-milha em 12,1% em 2018 em comparação com a linha de base de 2016, colocando-os no caminho para alcançar uma meta de redução de 15% em 2020.

Sua produção anual caiu para 7.382 milhões de toneladas de CO2 em 2018, de 7.732 milhões de toneladas em 2017.

A tonelada de carga é um indicador chave de transporte, medindo o volume de mercadorias transportadas multiplicado pela distância percorrida.

“Embora estejamos satisfeitos com o progresso, sabemos que não é suficiente”, disse Jan Dieleman, presidente do setor de transporte marítimo da Cargill, em um comunicado. “Os efeitos da mudança climática estão à nossa porta e devemos fazer mais.”

As commodities alimentícias com sede em Minnesota têm mais de 600 navios afretados a qualquer momento, com mais de 90% deles transportando mercadorias a granel, como grãos, açúcar e minério de ferro. Eles também fretam navios-tanque de produtos que transportam mercadorias como óleos comestíveis e biodiesel.

A agência marítima da ONU, a Organização Marítima Internacional (IMO), concordou com metas mais rigorosas de eficiência energética no mês passado para que certos tipos de navios acelerassem as ações para reduzir as emissões do setor.

Ativistas ambientais pressionaram por metas mais duras.

O objetivo de longo prazo da OMI é reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 50% dos níveis de 2008 até 2050.

Fonte:Reuters

Etiquetas
Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar