Industria & Comércio

Fundo da Noruega pode ter que descarregar US $ 1 bilhão da Glencore em troca de carvão

O fundo soberano de US $ 1 trilhão da Noruega pode ter que vender uma participação de US $ 1 bilhão na empresa de commodities Glencore e outros investimentos para atender às regras mais rigorosas de investimento ético adotadas por seu parlamento.

O plano de investimento na indústria de carvão

O Parlamento norueguês concordou na quarta-feira com o plano do governo de centro-direita de que o maior fundo do mundo não investiria mais em empresas que extraem mais de 20 milhões de toneladas de carvão anualmente ou geram mais de 10 gigawatts (GW) de energia do carvão.

Os ambientalistas Greenpeace e Urgewald disseram que as novas regras significam que o fundo teria que alienar sua participação de 2,03% na Glencore, no valor de US $ 1 bilhão no final de 2018, de acordo com dados do fundo.

O fundo também teria que vender sua participação de 2,16% na mineradora Anglo American, no valor de US $ 620 milhões, acrescentaram, citando sua própria análise.

O fundo, a Glencore e a Anglo American, não quiseram comentar.

“O que isto faz … é dar um sinal muito claro a governos e empresas de que o tempo para financiar combustíveis fósseis está chegando ao fim, para o benefício tanto das pessoas quanto do planeta”, disse Martin Norman, Campanha de Finanças Sustentáveis ​​da Greenpeace na Noruega.

Outros desinvestimentos incluiriam a participação de 1,39% do fundo na alemã RWE, no valor de US $ 186 milhões, sua participação de 2,22% na South32, na Austrália, de US $ 266 milhões e 1,03% na alemã Uniper, entre outros.

As regras originais de investimento em carvão, também estabelecidas pelo parlamento, pediam que o fundo não investisse em uma empresa que obtinha mais de 30% de suas receitas do carvão.

Isso levou o fundo a vender suas participações em 83 companhias de produção de carvão, como Peabody Energy e Coal India, além de produtores de energia que vão da Portland General Electric à Korea Electric Power.

Foi o primeiro grande fundo a fazê-lo e os desinvestimentos em 2015 levaram outros investidores de longo prazo a definir diretrizes semelhantes, incluindo a seguradora alemã Allianz no final daquele ano.

A Uniper disse que sua capacidade de geração global é inferior a um terço de carvão, acrescentando que pretende usar mais combustíveis de baixo carbono e já reduziu suas emissões de dióxido de carbono em cerca de 20% desde 2016.

“Nós nos vemos como parceiros na transição energética e queremos acompanhá-la de forma construtiva”, disse uma porta-voz da Uniper.

A RWE disse que seu plano de transformação inclui a não construção de novas usinas termoelétricas a carvão, e acrescentou que investirá até 1,5 bilhão de euros (US $ 1,70 bilhão) anualmente em novos projetos de energia renovável assim que sua transação com a EON for concluída.

“Até o final de 2019, mais de 60% das usinas da RWE serão capazes de fornecer eletricidade com pouca ou nenhuma emissão de CO2”, disse uma porta-voz.

A South32 e a BHP Billiton se recusaram a comentar enquanto a Enel não respondeu a um pedido de comentário.

Fonte:Reuters

Etiquetas
Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar