Industria & Comércio

Petróleo sobe pela quinta sessão com queda de estoques e mercado aguarda Fed

Os preços do petróleo subiram pelo quinto dia na quarta-feira, apoiados por uma queda nos estoques norte-americanos e nas expectativas dos investidores de que o Federal Reserve reduzirá os custos de empréstimos pela primeira vez desde a crise financeira, há mais de uma década.

Os preços do petróleo

Os futuros do petróleo Brent LCOc1, a referência internacional para os preços do petróleo, subiram 40 centavos, ou 0,6%, para US $ 65,12 por barril por 0842 GMT.

O CLc1 bruto West Texas Intermediate, dos EUA, ganhou 20 centavos, ou 0,3%, para US $ 58,25 o barril.

Banqueiros centrais dos Estados Unidos iniciaram sua reunião de dois dias na terça-feira e devem reduzir as taxas de juros, com o presidente Donald Trump reiterando seu pedido para que o Fed faça uma grande redução.

“A medida foi antecipada há muito tempo e representa um benefício duplo para os preços do petróleo – por um lado, deve encorajar a demanda de petróleo dos EUA e, por outro, aplicar pressão descendente sobre o dólar”, disse Stephen Brennock, analista da PVM Oil Associates.

Os estoques de petróleo caíram novamente na semana passada, junto com os estoques de gasolina e destilados, mostraram dados do grupo da American Petroleum Institute na terça-feira.

Os estoques brutos caíram 6 milhões de barris para 443 milhões de barris na semana encerrada em 26 de julho, contra uma previsão de queda de 2,6 milhões de barris em uma pesquisa da Reuters com analistas.

(Gráfico: Inventários brutos dos EUA, mudanças semanais desde 2017 – tmsnrt.rs/2y7mC9g)

“As perspectivas para outro empate em estoques de petróleo dos EUA e renovadas interrupções na Líbia estão apoiando os preços do petróleo”, disse o analista de petróleo do UBS, Giovanni Staunovo.

O campo petrolífero de Sharara, na Líbia, o maior do país, foi desativado na terça-feira depois de um problema com uma válvula no oleoduto que o ligava ao terminal de petróleo de Zawiya.

As tensões no Oriente Médio permanecem altas, proporcionando outro catalisador de alta dos preços, com os EUA formalmente pedindo à Alemanha que se junte à França e à Grã-Bretanha para garantir o Estreito de Ormuz após a apreensão de um navio-tanque britânico pelo Irã. A Alemanha expressou ceticismo sobre o pedido.

O chefe de finanças da BP, Brian Gilvary, disse que a companhia britânica não transportou nenhum de seus petroleiros pelo Estreito de Ormuz desde a tentativa do Irã, em 10 de julho, de apreender uma de suas embarcações.

Os participantes do mercado também estão acompanhando de perto a reunião dos EUA com a China em Xangai, já que ambos os países tentam encerrar uma guerra comercial de um ano, embora as expectativas sejam baixas para o progresso após as observações combativas do presidente Trump.

O encontro acontece quando uma pesquisa mostrou que a atividade fabril da China encolheu pelo terceiro mês consecutivo em julho, ressaltando as crescentes pressões colocadas pela guerra comercial sobre a segunda maior economia do mundo e um dos maiores consumidores de petróleo.

Fonte:Reuters

 

Etiquetas
Mostrar mais

Danime Mennitti

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal Gente e Meracado Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar